Imagem

Desodorante Vegano

Acho que quase todo mundo sabe que ser vegano vai muito além de não comer carne e outros produtos de origem animal, tais como leite e ovos. O estilo de vida vegan também recusa produtos feitos com couro, lã e também ossos, como é o caso de botões e até mesmo jóias.
Não é tarefa simples a transição para o veganismo. Em um primeiro momento parece até mesmo uma utopia já que o mercado parece dominado por produtos que demandam a exploração, o sofrimento e a morte de outras espécies animais. E é mais ou menos isso mesmo.
Quando optei por seguir a filosofia vegana em 2009 era ainda mais difícil. Precisei passar por um longo processo de adaptação e uma intensa pesquisa apoiada em dezenas de livros, além de infinitas horas nas redes sociais e na internet buscando a troca de experiências com outros vegans.
Mas longe de me ajudar, tantas informações só aumentaram meus problemas. Descobri que a filosofia vegana vai muito além das causas animais e é um posicionamento contrário ao sistema capitalista baseado na industrialização e no consumo desenfreado, disfarçados de progresso e modernidade por inescrupulosas estratégias de marketing e campanhas publicitárias.

rasierstein-bloc-osma
Não faz sentido não comer carne e continuar a usar shampoo testado em animais, bem como não faz sentido ser vegano e não se preocupar com o desmatamento, a poluição das águas, a contaminação do solo, as alterações genéticas em alimentos e o descarte irresponsável de lixo.
Meu processo de veganização, ainda em curso após 9 anos, me levou a cozinhar meus alimentos, sempre orgânicos e até a cultivar alguns deles em meu jardim., reciclo embalagens quando não posso evitá-las e troquei muitos produtos industrializados por alternativas caseiras.

Osma-Alum-Bloc
Contudo, a vida nos grandes centros urbanos cria uma demanda por produtos práticos. Hábitos simples, como o de usar desodorante por exemplo, podem colocar em cheque todo o seu ideal vegano. Não dá para ficar passando bicarbonato de sódio nas axilas quando você está atrasado para uma reunião. Tudo o que desejamos nessas horas é um roll-on salvador. E que não manche as roupas.
Embora existam algumas marcas no mercado que cumpram as exigências veganas, há sempre dois fatores impeditivos: A química inserida nesses produtos e as embalagens, quase sempre feitas de plástico e impossíveis de serem reaproveitadas.
Recentemente descobri um produto incrível, 100% natural e que atende todas as expectativas e exigências: o Osma Alum, um desodorante composto puramente de Alúmen de potássio, substância que possui uma poderosa ação adstringente e antisséptica sobre os poros da pele.

pos-barba-em-barra-uh-me-osma-laboratoires-D_NQ_NP_930971-MLB26538991325_122017-F
Sem bloquear a transpiração, esse desodorante é um mineral de pedra de sal que permite que a pele respire e impede a formação das bactérias causadoras do mau odor. Sem perfume, mercúrio, álcool, parabenos, amônia ou cloreto de alumínio, substâncias essas que afetam o nosso organismo e o meio ambiente, ele se adequada a todos os tipos de pele, evita pelos encravados e melhora as axilas escurecidas.
O uso é extremamente simples, basta passar a pedra nas axilas ainda úmidas pós banho, deixando-a secar naturalmente. Pessoas com pele muito oleosa no rosto, como eu, podem usá-lo também nas áreas mais atingidas, como testa e nariz. Fiz o teste e super aprovei o produto.
Fabricado na França desde 1957, o Osma Alum ainda é uma novidade no mercado brasileiro e além de todas as vantagens já citadas, há a durabilidade. Cada pedra, se bem cuidada, pode durar de 1 a 5 anos, dependendo do tamanho.
Conheci o produto em um encontro vegano e venho testando todos os dias, inclusive para os meus treinos na academia. Super recomento.

Facebook: @LaboratoiresOsma

Anúncios
Imagem

Palm Oil e o Extermínio de Espécies

Um vídeo veiculado pela BBC vem chamando a atenção de todo mundo sobre o desastre ambiental causado pela indústria na produção do palm oil (óleo de palma), presente em quase tudo o que consumimos, dos alimentos aos produtos cosméticos.
O vídeo foca principalmente a situação na Indonésia e Malásia, onde milhares de hectares de florestas nativas são derrubadas, afetando todo o eco sistema e a existência de diversas espécies de aves e animais, principalmente o Orangotango, nosso ancestral mais próximo.
As imagens são chocantes e absolutamente tristes. E nos alertam sobre como nossos hábitos de consumo afetam diretamente outras espécies e levam à uma tamanha degradação do meio ambiente, cujos efeitos certamente em breve chegarão até nós também.

Clique aqui para ver o vídeo.

O óleo de palma é o óleo vegetal mais usado no planeta e está presente em pelo menos 50% dos produtos que consumimos normalmente: Óleo de cozinha, alimentos, tintas, lubrificantes, produtos de higiene pessoal, cosméticos, remédios, produtos de limpeza, bio combustível, bio energia, etc.

_95472786_istock-516826202
Nas embalagens ele pode estar disfarçado com nomes como glicerina vegetal, óleo vegetal, gordura vegetal e muitos outros nomes. Mas é o mesmo produto, cultivado, extraído e manipulado da mesma forma, causando os mesmos problemas ao planeta e às espécies.

_95472938_gettyimages-491123138
Nos últimos 20 anos, a crescente demanda tem provocado o desmatamento criminoso de florestas tropicais, para dar lugar às plantações de palmeiras e outras plantas cujas as sementes são essenciais para a produção de óleos.

_95473512_hi017409567
Segundo o relatório de especialistas da organização IUCN – International Union for Conservation of Nature, o problema é muito complexo pois a demanda da indústria para o palm oil continuaria existindo mesmo que ele fosse proibido. Outras fontes de extração seriam colocadas em prática e com efeitos talvez muito mais devastadores.

_95472782_hi017409564
A Indonésia e a Malásia são líderes mundiais na produção do palm oil mas o crescimento desse segmento no Brasil deve ser observado com muito rigor. Em 2015 o mercado de palm oil faturou mais de 1,2 bilhão de reais, segundo informações da Abrapalma – Associação Brasileira de Produtores de Óleo de Palma.

Palm-Images-Feb4-e1484942023291
Citando apenas o mercado de cosméticos, segmento onde o Brasil é líder mundial, apenas a Natura atesta ter um Sistema Agroflorestal totalmente sustentável para a produção do óleo de palma, componente presente em quase toda a sua linha de sabonetes, cremes e maquiagem.

prateleira-de-supermercado-size-598
O Brasil produz grande parte do que consome mas ainda precisa importar de outros países, o que abre oportunidades para o crescimento do segmento. Vários projetos estão no aguardo de licenciamento ambiental e a sociedade deve ficar atenta às concessões que podem ser abertas sem levar em consideração as consequências.
O papel do consumidor nesse processo é fundamental. Rever nossos hábitos de consumo e buscar no mercado produtos que sejam livres de óleo de palma é a solução. Diminuindo a demanda, podemos diminuir os efeitos nocivos da indústria ao meio ambiente e salvar não só a vida de centenas de espécies animais e vegetais, mas também a nossa.

logo-officieel-trans
O vídeo da BBC sem dúvidas abre uma discussão importante mas toda essa problemática em torno do óleo de palma já vem de vários anos. Há vídeos no Youtube desde 2014 denunciando a tragédia ecológica que vem acontecendo na Indonésia, Malásia e Tailândia, causada pela voracidade da indústria que almeja apenas lucro e a qualquer custo.

Imagem

Yutaka Toyota e O Ritmo do Espaço

 

O pintor e escultor Yutaka Toyota ganha mais uma grande retrospectiva, a maior de seus quase 60 anos de carreira, desta vez no Museu de Arte Brasileira da FAAP, em São Paulo.

20180630_165934
Batizada Toyota – O Ritmo do Espaço, essa mostra reúne um impressionante conjunto de obras em aço e alumínio, que exploram as formas, a luz, as cores e os reflexos.
Toyota foi um dos primeiros artistas a trabalhar o aço e também um dos primeiros a trabalhar a arte cinética no Brasil. Com obras espalhadas por espaços públicos e coleções particulares no Brasil e no Japão, seu nome está em peças gigantescas como a famosa escultura no átrio do Hotel Maksoud Plaza, no Centro Brasileiro Britânico, na Praça da Sé e na própria FAAP.

20180630_16445320180630_16453620180630_165502
Nascido no Japão em 1931 e naturalizado brasileiro em 1968, Toyata começou sua carreira pintando telas. Quando chegou ao Brasil começou a explorar as possibilidades dos metais e em 1969 foi um dos grandes destaques da 10ª Bienal de São Paulo, com a obra Quarto Escuro, reproduzida nesta exposição.

20180630_16374020180630_16383720180630_16412220180630_16401820180630_16405220180630_16483620180630_165522
Mesmo com uma grande influência da arte braisleira e em especial da arquitetura moderna do Brasil, o trabalho de Toyota não perdeu as referências orientais e suas peças transmitem uma leveza e delicadeza opostas ao que sugere as dimenções e características da matéria prima.

20180630_16364220180630_163657
Toyota – O Ritmo do Espaço fica aberta ao público até 02 de setembro no Museu de Arte Brasileira da FAAP, de quarta a segunda-feira, com entrada gratuita, na Rua Alagoas, 903 – Higienópolis – São Paulo.

Imagem

O Uso De Protetor Solar Está Destruindo A Vida Marinha

 

Estudos mostram que duas substâncias químicas presentes na maioria das marcas de protetor solar estão matando os recifes de coral e outras formas de vida marinha em todo o mundo.
É isso mesmo: O filtro solar que você usa na praia para protegê-lo da exposição ao sol, está matando os recifes de corais e outras formas de vida marinha.

Sunscreen_XL_721_420_80_s_c1

Cerca de 14.000 toneladas de protetor solar acabam nos recifes de corais a cada ano, seja diretamente durante o banho de mar ou indiretamente quando você toma banho de chuveiro.

Bright paints of coral reeves
O BuzzFeed, o HuffPost e o InSider divulgaram que o Havaí já é o primeiro estado dos EUA a proibir protetores solares contendo dois produtos químicos tóxicos, o oxibenzona e octinoxato, a partir dos estudos de 2015 publicados no Archives of Environmental Contamination and Toxicology, da Springer Science+Business Media, que descobriu que essas duas substâncias matam os recifes de coral liberando todos os nutrientes.
Esses produtos químicos não só matam os corais como também causam danos no DNA desses organismos tão delicados, tornando improvável que eles possam se desenvolver adequadamente.

ae46b1f460ee46f789c27b264a6cb421-35-640x460
Os mesmos estudos mostram que a perda de nossos recifes de corais teria efeitos devastadores na vida marinha e na economia mundial e no suprimento de alimentos.

Imagem

Contemporary Ceramic Exhibition – Brazil and England

O arquiteto e designer americano Charles Jencks, que também é um importante teórico de arte, definiu a cerâmica como uma linguagem “ligada ao passado e movimentando-se para o futuro”.

contemporary-ceramic-exhibition-brazil-england-1
A história da cerâmica acompanha a história da própria humanidade, se sobrepondo a tendências e mantendo-se presente em todas as civilizações e culturas. Como arte aponta para o futuro, abraçando as novas tecnologias, sem contudo perder sua essência e natureza.

contemporary-ceramic-exhibition-brazil-england-2
Tudo isso pode ser confirmado na grandiosa exposição “Contemporary Ceramic Exhibition – Brazil and England”, que está no Centro Brasileiro Britânico em São Paulo até o dia 01 de abril.

contemporary-ceramic-exhibition-brazil-england-3
Obras de 78 artistas brasileiros e 12 ingleses traçam um panorama abrangente da arte cerâmica nos dois países, permitindo uma avaliação global de como a cerâmica contemporânea venceu a classificação de “arte menor” e assume um papel protagonista na arte pós-moderna.

IMG_2045
Organizada pela super atuante CCBRas essa exposição com curadoria do competente Fernando Zelman, reúne um surpreendente conjunto de obras mostrando uma grande diversidade de estilos e tecnicas, somadas à infinitas referências que ultrapassam fronteiras culturais e temporais, dando cor e principalmente forma ao imaginário de todos os artistas.

IMG_2002
Entre os 90 artistas que integram essa exposição estão nomes importantes e o de artistas em ascenção dos dois países: Douglas Fitch, Phil Rogers, Peter Willis, Kenjiro Ikoma, Kimi Nii, Sara Carone, Anelise Bredow, Ruben Alekxander, Cecilia Menezes, Tácito Fernandes, Agueda Zabisky e Angelina Zambelli, entre muitos outros.


O Centro Brasileiro Britânico funciona de segunda à sexta-feira até às 18 hs. O endereço é Rua Ferreira de Araújo, 741 – Pinheiros, São Paulo.

IMG_2000IMG_2011IMG_2013IMG_2014IMG_2017IMG_2029

 

Imagem

Moda para um mundo sem diferenças

Moda para um mundo sem diferenças mas onde as pessoas não são todas iguais.
Adoro moda mas fazia muito tempo que tudo parecia tão previsível e déjà vu, que deixei de acompanhar o que rolava nas semanas de moda. Na verdade, após a morte do genial Alexander McQueen, troquei a expectativa por grandes surpresas pela admiração a evolução contínua no trabalho de alguns estilistas como Thom Browne, Craig Green e Rick Owens (meus favoritos).

Model presents a creation from the Gucci Autumn/Winter 2018 women collection during Milan Fashion Week in Milan75a43af835393b321382e469e805cbd8
Mas uma foto, que insistia em aparecer nas minhas redes sociais, chamou minha atenção para o desfile da Gucci, coleção Fall Winter 2018/2019. Nela, dois modelos desfilavam segurando embaixo do braço réplicas perfeitas de suas próprias cabeças. Não resisti e fui ver o vídeo completo do desfile apresentado na Semana de Moda de Milão

Italy Fashion Gucci
Alessandro Michele, com uma carreira construída dentro da Gucci desde 2002 e respondendo pela direção criativa desde 2015, apresentou um desfile impecável e com uma coerência fascinante entre coleção e apresentação. As excêntricas (des)combinações prometem vestir um mundo sem fronteiras ideológicas, raciais, estéticas, culturais, sociais, políticas ou de gênero.

6f4718a69d70232d38ba6b6284640c2c
Eliminar essas diferenças, no entanto, está muito longe de um mundo uniformizado. A Gucci de Michele valoriza a identidade, a originalidade e a personalidade.
É fato que não havia nenhuma grande novidade mas Michele fez evoluir muito a proposta que a marca vem trabalhando já há 4 anos, depois da fase Glam Sex de Tom Ford. E o momento também se mostra propício para esse estranho mundo novo da Gucci.

GettyImages-922468002-1519338653-1519338655
Apresentado em um cenário que reproduz um grande centro cirúrgico – onde ocorre a transformação do mundo como conhecemos para esse outro, livre das diferenças e do preconceito, cirurgicamente extirpados – o desfile trouxe além das cabeças decaptadas, dragões e répteis como referências filosóficas do pós-humanismo e do transumanismo, que celebra a superação das limitações intelectuais e físicas através do controle tecnológico da própria evolução biológica.

Sem título-1
É mesmo tempo de derrubarmos barreiras inúteis criadas por ideologias que alimentam o confronto ao invés de promover a comunhão. E a própria moda, que durante décadas vinha servindo a essas ideologias, dá o grito libertador.
Palmas para a Gucci.

Imagem

O Nascimento da Magia

Hoje, quando gravamos um vídeo para postar no Instagram ou em alguma outra rede social, não nos damos conta do longo caminho, percorrido em grande velocidade, desde a primeira imagem reconhecida como fotografia (do francês Joseph Nicéphore Niépce, em 1826) até a tecnologia ultra moderna que nos permite fotografar e produzir vídeos a qualquer instante com nossos smartphones.

N06535
Paralelamente a Niépce, outro pesquisador francês, Louis Jacques Mandé Daguerre, registrou em 1835 o processo fotográfico, batizado de daguerreótipo. Mas muitos outros pesquisadores pelo mundo a fora se empenhavam em estudos para o registro da imagem. Entre eles o inglês William Fox Talbot e o francês radicado no Brasil Hércules Florence, que em 1834 desenvolveu o negativo. Em 1888 a Kodak abria suas portas falando já na popularização da fotografia.
A fotografia mudou definitivamente a nossa percepção de mundo, de espaço e de tempo. Influenciou sobretudo as artes, libertando a pintura da obrigação dos registros para a História e permitindo aos grandes mestres da época pintar suas impressões sobre a realidade. Assim como na fotografia, na pintura a luz passou a ser o objeto de registro.

ThinkstockPhotos-483573815
Mas a grande revolução viria em 1895 quando os franceses Auguste e Louis Lumière apresentaram em Paris o cinematógrafo, a fotografia em movimento. Nascia o cinema.
Os irmãos Lumière não foram apenas os inventores do cinematógrafo mas também os criadores do cinema em todos os seus aspectos. Foram os pioneiros na projeção em uma sala escura, cobrando ingresso de 1 franco. Foram também os primeiros diretores, roteiristas, diretores de arte e fotografia, produtores, etc.

Lumière-A-Aventura-Começa-trailer-2017
Eles produziram cera de 120 pequenos filmes e 108 deles foram primorosamente restaurados em 4 k e constituem o filme documentário “Lumière, A Aventura Começa”, um verdadeiro tributo dirigido por Thierry Frémaux, que é também diretor do Instituto Lumière e do Festival de Cannes.

artes face temperos programa sala cult
Este é o filme de estreia do projeto Sala Cult, o mais novo espaço para o cinema independente em Jundiaí, recém inaugurado no Shopping Paineiras. Com curadoria de Fátima Augusto (responsável por outros projeto consagrados, o Moviecom Arte e o Temperos de Cinema), o Sala Cult é um espaço alternativo mas bem ao gosto dos cinéfilos modernos, com instalações super confortáveis, som e imagem de altíssima qualidade.

411003
Além de ser um importante registro dos primórdios do cinema, os pequenos filmes dos irmãos Lumière nos transportam para a França do século XIX e a um mundo que fazia sua entrada na Era Moderna.
Narrado pelo próprio Frémaux e com uma trilha musical refinada assianada por Camille Saint-Saëns, este filme documentário conta com a participação especial de Martin Scorsese.
“Lumière, A Aventura Começa” será exibido nos dias hoje e amanhã, às 19horas e 24 de fevereiro, às 16 e as 19horas.
A Sala Cult fica no Shopping Paineiras – Avenida Nove de Julho, 1155 – Chácara Urbana, Jundiaí.
Obs: Desligue seu smartphone e mergulhe neste filme.

e943dabe75be6aefda1cb113c72e6e82